Quinta-feira, um dia solarengo. Tinha decidido desde o início da gravidez que deixaria de trabalhar a partir das 38 semanas e esta era a nossa primeira semana de baixa :P. Levantei-me muito bem disposta como era costume e preparei-me para rumar a Lx para mais uma aula de PPP.
A tranquilidade que me tinha acompanhado nos últimos 8 meses estava um pouco abalada, desde a última consulta de GO, quando me foi dito que a tensão andava um pouco alta. Saí da consulta com a recomendação de monitorizar periodicamente a tensão e avisar se subisse mais. Convicta de que estava bem, passei duas semanas "no limbo" até que, na véspera, quarta-feira, a tensão ultrapassou os limites :(. Liguei ao Dr. J... bla-bla-bla... provocar o parto... bla-bla... riscos para mim e para o bebé... bla-blaa-blaa... não faz sentido esperar mais... bla-blablabla-bla :S Não conseguia de maneira nenhuma convencê-lo de que ainda era cedo e acabei por prometer que iria no dia seguinte ao Hospital. Até calhava bem porque já tinha decidido lá ir ver a Ana e a Catarina que nascera nessa terça-feira.
Retomando a quinta-feira... Na aula de PPP voltaram a recomendar-me que fosse ao Hospital avaliar a situação. Saí da aula por volta das 14h e rumei à Baixa para almoçar e fazer umas comprinhas. Estava calor e eu estava cansada e um bocadinho ansiosa com a perspectiva de ter de medir a tensão novamente :S. Cheguei ao Hospital e fui ver a Ana e a bebé (estava muito longe de imaginar que não sairia de lá tão cedo :). Depois dos parabéns e de uma curta conversa lá resolvo ir ao piso das consultas para falar com a enfermeira. Esperei algum tempo em pé e, cheia de "cagufa", lá meço a tensão... não estava nada boa :(. Levei nas orelhas e, nesta altura, começo a sentir-me um bocadinho aflita com a ideia de ter de ir à Urgência fazer análises.
Na Urgência tiram-me sangue e ligam-me ao CTG mas a médica que me atendeu foi logo avisando que não me podia dar alta naquelas circunstâncias. Fiquei incrédula... isso significava que teria de ficar no hospital?? Claro! Só pensava... "mas onde é que eu me vim meter?" Pior... Uns minutos depois é que me apercebi que queriam que o S nascesse já... Já?! Não pode ser... o pai não está cá! Não trouxe as malas! Já tinham chamado o Dr. J para fazer a cesariana. Entrei em pânico. Eu só dizia "pelo menos esperem pelo pai do bebé"... "vão esperar não vão?". O pai chegava de Paris por volta das 22h e mal sabia ele que a cegonha se tinha esgueirado sorrateiramente para dentro da bagagem ;).
Fui dar entrada no internamento e acomodei-me confortavelmente no "quarto de hotel". Depois vieram as dúvidas: e agora? Quem vou avisar? Tinha ali a Ana e o marido para me apoiar e sinceramente na hora nem me apetecia incomodar ninguém, era o meu momento e eu queria que fosse o mais tranquilo possível. Avisei só a minha cunhada L que prometeu guardar segredo. Esperei que o pai embarcasse e mandei-lhe uma sms para que soubesse onde estava quando saísse do avião. Assim foi... há precisamente 4 meses estava a viver o momento por que ansiavamos há anos. Não correu propriamente como desejava mas hoje, a esta distância, sinto-me muito privilegiada.
Pouco depois do pai chegar (a correr do Aeroporto), perto das 23.30h vieram finalmente buscar-me :P Nesta altura já me sentia completamente extasiada e super feliz pois sabia que daí a alguns minutos a nossa vida iria mudar para sempre...

Etiquetas:

 
nota da criolinha às 16:13 |


2 Comments:


At 23/6/08 10:32 da manhã, Blogger amora 

Fico sempre de lagriminha no olho a ler estes relatos ;-)
E hoje tens contigo um bebé lindo e super charmoso e estás feliz! E eu fico feliz por te sentir assim!

Um gde beijinho e parabéns pelos 4 mesinhos

At 23/6/08 11:07 da manhã, Blogger IC 

Já 4 meses! Parabéns ;O)